Uma palavra de encorajamento para os dias que estamos vivendo.

No início deste ano, em um tempo de oração com alguns irmãos, o Senhor me deu uma única palavra:“NOVO”. Fui para casa e, orando em meu quarto, fui ministrado pelo Espírito Santo. Lembrei-me que havia escrito um pequeno texto de Derek Prince sobre “o novo de Deus” e fui direto para Isaías 43:
“Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo.” (vs. 18,19)
Naquele momento, Deus encheu meu coração com esta palavra: “Eis que faço coisa nova”. Foi uma palavra pessoal, para o meu relacionamento com Ele, não pensando em reparti-la com outras pessoas. Ali, um desejo de maior intimidade, profundidade, amizade com o Senhor encheu meu coração. Eu já tenho mais de 50 anos de caminhada cristã, mas o Pai me disse: “Não fique lembrando das coisas passadas e antigas. Saia da estagnação, daquilo que você alcançou até hoje, das experiências que Eu já lhe dei, porque Eu tenho mais!” Senti-me então, como sendo puxado pelo Senhor para uma dimensão superior, para um patamar de mais intimidade e profundidade com Ele.
Eu estava começando novamente a leitura da Bíblia em um ano e naquele dia me veio uma expectativa: neste ano o Senhor vai me guiar a uma nova profundidade na sua Palavra, a uma nova revelação, não só conceitual mas de intimidade com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Essa foi a primeira coisa que Ele me falou.
A segunda foi algo muito íntimo da minha vida com Marta. Estamos casados há 36 anos e o tempo acaba nos deixando “viciados” em algumas coisas. Lembrei-me que, dependendo de algumas coisas que ela fazia ou falava, eu tinha reações negativas, carnais. É fato que, nessa altura da vida, a gente não se permite mais permanecer na carne, pois é algo desastroso, mas, às vezes, algumas atitudes mais duras, interpretações negativas, respostas erradas aconteciam. Porém naquele dia o Senhor me disse: “Jan, eu quero uma nova atitude sua: um novo ouvir, um novo olhar, um novo reagir.” Então eu disse: “Senhor, eu quero tratar a minha esposa de outra forma. Quero reagir diferente, ter um novo olhar e um novo ouvir para com a minha amada!” Fiquei muito chateado comigo mesmo pelas reações carnais que Deus me fez enxergar, e Ele continuou ministrando ao meu coração sobre uma nova atitude: “Eis que faço coisa nova em sua vida!” Em seguida, fiz uma pergunta: “Senhor, neste ano de 2022, qual é o teu ‘novo’ em termos de igreja, multiplicação de discípulos, igrejas nas casas, novas obras, novos países etc.?”
Dias depois, recebi um convite para ministrar no final de semana seguinte. Eu estava completamente mergulhado naquela palavra para mim, mas entendi que Deus queria que eu a compartilhasse com os irmãos. Eu sei que todos recebem a mesma palavra, mas o Senhor fala diferentemente para cada um. É algo “costurado sob medida” – um “novo” que Deus tem para cada pessoa, família e ministério em particular. Um novo ânimo, uma nova esperança, força, fé, expectativa; uma quebra de paradigmas e de “engessamentos” espirituais para todos nós, mas de formas diferentes.
Procurando tornar essa palavra didática, o Senhor me trouxe uma ilustração simples: um novo de Deus na PORTA, um novo de Deus no CAMINHO e um novo de Deus no ALVO. Isso parece um paradoxo, afinal Deus é um Deus Eterno e Imutável. Sobre isso, inclusive, alguns textos me vieram à mente naquele momento:
Salmos 90.1,2: “Senhor, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração. Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus.”
Gênesis 21.33: “Plantou Abraão tamargueiras em Berseba e invocou ali o nome do Senhor, Deus Eterno.”
Isaías 9.6: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz;”
Daniel 7.9a: “Continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e o Ancião de Dias se assentou…”.
Hebreus 13.8: “Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre.”
Tiago 1.17: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança.”
No entanto, a Bíblia também diz:
Lamentações 3.22,23: “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se a cada manhã. Grande é a tua fidelidade.”

Suas misericórdias não têm fim porque Ele é estável, imutável, permanece o mesmo eternamente, mas, por causa da nossa fragilidade, cada manhã Ele traz algo novo para nós.
Diante dos impasses, desafios, limitações, fragilidades da vida, o Senhor renova suas misericórdias diariamente a cada um de nós.
1) O novo de Deus na PORTA.
Esse novo começa com uma nova aliança:
Jeremias 31.31,33: “Eis aí vêm dias, diz o Senhor, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá. […] Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.”
Lembrei-me de Moisés quando desceu do monte com as tábuas da Lei e, ao ver que o povo havia se desviado e adorava ao bezerro de ouro, em fúria e indignação, ele quebrou aquela aliança que foi escrita em tábuas de pedra. Então fiquei muito frustrado comigo mesmo devido à minha limitação humana, à natureza pecadora herdada de Adão que nos é inerente, fazendo com que não consigamos, por decisão própria, cumprir a nova aliança. Isso só é possível pela intervenção poderosa de Deus, que agora produz uma aliança interior, de dentro para fora, escrita com letras espirituais em nossa mente e coração, como lemos abaixo:
Ezequiel 36.26,27: “Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis.”
Deus diz que faria uma “cirurgia espiritual” em nós: tiraria o coração duro, corrupto, maligno, e colocaria um coração maleável, sensível, quebrantado. Essa é a nova aliança: seu próprio Espírito dentro de nós. É por isso que Jesus disse que seria imperativo nascermos de novo:
João 3.3,5,7: “Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. […] Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. […] Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo.”
É imprescindível nascer de novo, do alto, através das águas do batismo, da Palavra que nos regenera e do Espírito que nos vivifica. Isso nos faz parte da nova aliança pois recebemos do alto um novo coração e o Espírito Santo que nos torna qualificados para vivermos para Ele.
2 Coríntios 5.17: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.”
Deus nos deu uma nova vida, uma nova paz, uma nova história. Todos os nossos pecados e impossibilidades de servir a Ele, agora, por causa da sua morte, ressurreição e exaltação, foram extintos. Temos uma nova vida, tudo se fez novo em nosso espírito. A nossa alma ainda está em processo de santificação e um dia teremos um corpo glorificado, sem limitações.
Este é o novo de Deus em relação à PORTA: nova aliança, novo coração, novo espírito, nascer do alto, nova criatura. E por isso podemos participar da mesa do Senhor:
1 Coríntios 11.25: “Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim.”
Isso não é simbólico ou cerimonial, mas uma realidade espiritual. Nosso Deus é dinâmico, faz tudo novo, e daí a essência da palavra “evangelho”: boas novas! As coisas antigas já passaram, não somos mais escravos do pecado e da morte, algo novo Ele fez em nós:
Salmos 40.3,5: “E me pôs nos lábios um novo cântico, um hino de louvor ao nosso Deus; muitos verão essas coisas, temerão e confiarão no Senhor. […] São muitas, Senhor, Deus meu, as maravilhas que tens operado e também os teus desígnios para conosco; ninguém há que se possa igualar contigo. Eu quisera anunciá-los e deles falar, mas são mais do que se pode contar.”
São muitas as maravilhas que o Senhor tem colocado em nossos lábios. Isso nos dá uma nova esperança, um novo ânimo, uma nova alegria! Nos faz dormir e acordar sem tristeza, depressão e acusação. Aleluias!
2) O novo de Deus no CAMINHO.
Hebreus 10.19,20: “Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne…”
Depois que passamos pela Porta, Deus nos reserva um novo Caminho, todos os dias, em direção ao Alvo. Cada dia Ele nos dá algo novo para entrarmos e vivermos no lugar de intimidade com Ele. Cada dia haverá algo diferente para nós, e isso começa no santo dos santos. Neste lugar há novas descobertas, novos horizontes, nova profundidade, novos conhecimentos do Pai. Esse é o lugar que podemos estar a cada manhã!
Hebreus 10.21-25: “…e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos, com sincero coração, em plena certeza de fé, tendo o coração purificado de má consciência e lavado o corpo com água pura. Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel. Consideremo-nos também uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima.”
Foi na comunhão em oração com os irmãos que eu recebi essa palavra do novo para minha vida. Então, ao mesmo tempo que eu entro individualmente no santo dos santos, também entro nele junto com os meus irmãos.
Sim, esse novo caminho está aberto. A obra que Deus está fazendo em nós não tem limites da parte d’Ele! Contudo, precisamos romper os paradigmas, as limitações, as coisas do passado que ainda nos amarram pois o Senhor está dizendo: “Eis que faço coisa nova!”
Neste novo caminho Ele nos fala sobre uma nova vida, a vida da ressurreição:
Romanos 6.4: “Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida.”
Gálatas 2.19,20: “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.”
Somos convidados a viver diariamente pela vida de Cristo em nós. Paulo diz que agora ele não vivia mais dependendo dele mesmo, das limitações da sua carne, mas, sim, pela vida do Cristo ressuscitado, glorificado, ilimitado e inesgotável nele!
Isaías 40.30,31: “Os jovens se cansam e se fatigam, e os moços de exaustos caem, mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.”
2 Coríntios 4.16: “Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia.”
Romanos 7.6: “Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra.”
Pela vida natural nos cansamos e fatigamos, mas pela vida de Jesus somos renovados e transformados a cada dia! A letra da lei caducou, portanto não devemos permanecer no passado, nas coisas antigas de legalismo e religiosidade, pois o Senhor nos chama para servirmos a Ele em novidade de vida.
Lembro de um livro de Watchman Nee onde ele diz que uma das 14 características de servirmos ao Senhor é um “espírito fresco” ou renovado. Sempre tem algo novo. Alguns irmãos dizem: “Trinta anos atrás eu tive uma experiência com Deus!” Mas onde está o novo? As experiências de hoje? Afinal, servimos a Deus em novidade de vida! Precisa haver, diariamente, novas expectativas, novas esperanças, nova visão da glória, vontade e senhorio do Senhor.
Romanos 12.1,2: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”
Essa renovação deve ser contínua, constante, renovada a cada dia. Só assim experimentaremos “a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” para as nossas vidas e seremos guiados por Ele a novos horizontes, ao propósito ou Alvo que Ele nos determinou. A mente renovada nos impede de ficarmos bloqueados no passado, na mesmice, nas coisas estagnadas e impossíveis.
Há duas limitações que o Senhor quebrou completamente em minha vida. A primeira foi escrever livros – agora eu já escrevi dois. Isso foi uma grande quebra de tabus e limitações pessoais. A segunda foi algo bem recente. Um irmão, reitor de um seminário teológico na Escandinávia, convidou-me para ministrar para eles. Ora, eu nunca fiz seminário teológico! Esse reitor tinha pós-doutorado em Teologia, vários livros escritos, e eu, o “Joãozinho”, iria ministrar cinco palavras sobre Igreja para eles. Mas eu fui! Foram 5 palavras de 1 hora e meia cada uma com direito a perguntas.
Ao final daqueles dias, aquele doutor em Teologia me disse: “Jan, quando você acabou a primeira palestra eu não sabia o que mais você poderia falar sobre esse tema: Igreja e comunhão. Mas você fez. Eu nunca havia visto isso na minha vida.” Mas eu sabia que não dependia do vaso e, sim, do tesouro dentro dele. Se Deus pôde fazer isso em mim, Ele pode e vai fazer coisas ainda maiores. Portanto, não limitemos “Aquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós.” (Efésios 3.20).
Talvez você diga: “No passado eu fiz muitas coisas, mas hoje estou estéril, estou morto, não vejo possibilidades!” Contudo o Senhor lhe diz: “Não se lembre das coisas do passado; eis que eu faço coisas novas na sua vida!”
Pelo arrependimento e regeneração temos uma nova vida com o Senhor e, pela justificação, temos uma nova posição com Ele: somos filhos! Agora, também, temos uma mente renovada para conhecermos a boa, agradável e perfeita vontade do Pai. Com isso podemos praticar o novo mandamento:
João 13.34,35: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.”
Somente pela nova aliança, novo coração, novo espírito, nova mente, novo caminho podemos cumprir este novo mandamento de amar aos outros. Isso é abrir mão dos nossos conceitos, receios, privacidade, conforto para experimentarmos o novo de Deus. Podemos experimentar o novo na Porta, mas também diariamente no Caminho, de fé em fé, de glória em glória, amadurecendo para chegarmos ao Alvo: a imagem de Jesus.
3) O novo de Deus no ALVO.
Apocalipse 21.1 fala sobre um “novo céu e nova terra”, e em 2 Pedro 3.13 lemos que “esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça.” Isso é maravilhoso, pois realmente estamos cansados e enojados de toda injustiça, maldade e corrupção que existe na terra.
Apocalipse 21.3: “Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.” Um dia, a noiva vai descer para reinar com o Senhor aqui na terra durante mil anos.
Além da imagem de Jesus em nós, tudo isso também faz parte do nosso ALVO. Mas existe algo que já recebemos do Senhor:
Apocalipse 2.17: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.”
Eu não sou expert em escatologia, mas o Senhor me falou algo sobre esse novo nome:
Isaías 62.2-4: “As nações verão a tua justiça, e todos os reis, a tua glória; e serás chamada por um nome novo, que a boca do Senhor designará. Serás uma coroa de glória na mão do Senhor, um diadema real na mão do teu Deus. Nunca mais te chamarão Desamparada, nem a tua terra se denominará jamais Desolada; mas chamar-te-ão Minha-Delícia; e à tua terra, Desposada; porque o Senhor se delicia em ti; e a tua terra se desposará.”
Temos um novo nome que foi escrito nas palmas das mãos de Deus pelo novo nascimento e, por isso, hoje, Ele está fazendo cair toda rejeição, desprezo, autocomiseração, solidão, esterilidade! Deus diz que o nosso nome não é mais “Desamparado” e “Desolado”, mas é “Minha Delícia”!
Lembrei de Deus Pai dizendo ao Filho no seu batismo: “Eis o meu Filho amado, em quem tenho todo o prazer!” (Mateus 3.17). Pelo batismo nós estamos em Cristo, então, em Cristo, o Pai olha para nós e diz: “Você é a minha delícia. Em você eu tenho todo o prazer!”
Não somos mais desamparados e desolados porque: “Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura, não o percebeis? Eis que porei um caminho no deserto e rios, no ermo.” (Isaías 43.19). O deserto, a sequidão e a desolação permanecem na terra, mas Deus está abrindo um caminho novo para nós, um rio de água viva que jorrará para sempre!
Receba um óleo novo do Senhor em sua vida! Toda rejeição, abandono, solidão, desânimo, passividade, esterilidade vão cair por terra e o Senhor lhe dará algo novo pelo Espírito Santo.
Apocalipse 21.5-7: “E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras. Disse-me ainda: Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida. O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho.”
Tudo o que Deus falou para a sua casa – restauração no casamento, resgate de filhos afastados – Ele fará cumprir nesses dias: “Todos os teus filhos serão discípulos do Senhor; e será grande a paz de teus filhos.” (Isaías 54.13). Receba também um renovo no seu ministério; não limite aquilo que o Pai determinou para você! Tudo o que você precisa está n’Ele, então creia, aproprie-se e viva este novo de Deus em sua vida! Amém! Senhor, extrapole os nossos limites e barreiras! Não queremos ficar no passado, presos a coisas antigas. Queremos enxergar que o Senhor está trazendo à luz algo novo a cada um de nós: discípulo, casal, família, ministério, não importa a idade natural ou espiritual.
Diz o Senhor: “Eis que estou fazendo coisa nova e está vindo à luz. Comece a perceber. Deixe entrar no teu espírito uma expectativa de fé daquilo que Eu quero fazer na sua vida. Não fique preso nas coisas antigas, na sua autocomiseração, autoacusação, lamentações sobre erros e pecados do passado. Eis que faço coisa nova!”

Asssista também esta palavra no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=2yG2iJQlI7w

Jan Gottfridsson mora em P. Alegre, é pastor e atua em um trabalho de natureza apostólica em várias cidades do Brasil, América Latina e Europa. Casado com Martha, pai de 3 filhos e 7 netos.

Transcrição e Edição: Luiz Roberto Cascaldi (professorcascaldi@gmail.com) Março de 2022.

O texto acima expressa a visão do autor sobre o assunto, não sendo necessariamente a visão do site.