PREGAÇÃO CRISTÃ

Anunciando verdades eternas

Search results: "semelhante a Jesus" Page 1 of 3

Como sermos semelhantes a Jesus

semelhantes de JesusHá um desejo no coração de Deus para todos os homens: que se tornem filhos seus, semelhantes ao Filho Jesus! Sabendo disso, Paulo e Timóteo oravam pelos colossenses, para que todos vivessem “… de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus” (Cl 1.10).

1º) viver de modo digno do Senhor: “com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz” (Ef 4.1-3).

Esta palavra tem mais a ver com relacionamentos do que com eventos! E não tem nada a ver com construções faraônicas, com belos corais, com rituais complexos e cultos sagrados muito bem elaborados, com ativismo, com sensações e calafrios, etc. Antes, é oferecer, diariamente e em todo lugar, o nosso culto racional a Deus com a nossa vida, já que somos o templo agora na Nova Aliança (Rm 12.1,2; 1Co 6.19)!

2º) para o seu inteiro agrado: “…Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar…” (1Sm 15.22).

O sacrifício de Jesus foi suficiente! Deus não quer nossos sacrifícios, quer nossa obediência (Mq 6.6-8), porque isto é o que lhe agrada! Temos que conhecer sua vontade para lhe obedecer; não precisamos inventar mais nada. É simples assim!

3º) frutificando em toda boa obra: “Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto; e assim vos tornareis meus discípulos” (Jo 15.8; Hb 10.24; Tg 2.26).

Frutos, na Palavra, representam vidas e resultados; ou seja, nossas obras refletem nossa fé! Sobre a semente que caiu em boa terra, disse Jesus: “… são os que, tendo ouvido de bom e reto coração, retêm a palavra; estes frutificam com perseverança.” (Lc 8.15)!

4º) crescendo no pleno conhecimento de Deus: (Jó 42.5; Os 4.1, 6.6; Hb 1.2).

Conhecendo Jesus, crescemos no conhecimento de Deus. Sobre Jesus, Paulo diz: “Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação” (Cl 1.15), e em Hebreus 1.3 lemos que Jesus é a exata expressão de Deus! O próprio Jesus disse a Filipe: “Quem me vê a mim vê o Pai” (Jo 14.8-10)!

O meio (o caminho) para que alcancemos o alvo:

1º) que transbordeis de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual (Cl 1.9):

Transbordar de conhecimento da vontade de Deus, não doutrinas e vontades ou ideias de homens! Com sabedoria e entendimento espirituais e não humanos! Conhecer com o coração e não somente com a mente! Conhecimento total, não em partes! (Cl 3.16; 2Tm 3.16,17).

2º) sendo fortalecidos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade (Cl 1.11):

Em que somos fortes? O que tem nos fortalecido? Que tipo de poder temos buscado? Temos nos ocupado em tornar forte nosso espírito ou nossa carne (Mt 4.4; Jo 7.37-39; At 1.8; Rm 8.6-8;11)? Temos sido perseverantes em buscar poder de Deus, em nos encher do seu Espírito (Lc 24.49; Ef 5.18-6.18)?

3º) com alegria, dando graças ao Pai, que vos fez idôneos à parte que vos cabe da herança dos santos na luz (Cl 1.11,12):

“Alegrai-vos sempre no Senhor; outra vez digo: alegrai-vos.” (Fp 4.4) – Podemos nos alegrar no Senhor, em primeiro lugar, porque a Sua alegria é a nossa força (Ne 8.10); depois, porque ele já nos capacitou, nos supriu e nos supre de tudo o que precisamos para viver em santidade; ou seja, nos tornou aptos para Ele! Em 1Ts 5.18 lemos: “Em tudo dai graças, porque está é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”. Gratidão, esta é a vontade de Deus para nós!

Mas, para que transbordemos de pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; nos fortaleçamos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade; com alegria, dando graças ao Pai, que nos fez idôneos à parte que nos cabe da herança dos santos na luz, há algumas condições:

Cl 1.13,14: “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados”

Permitir que Jesus nos liberte das trevas que, porventura, ainda permaneçam em nós. Para isso tem que haver arrependimento (mudança de atitude) e confissão, senão não há redenção (pagamento) nem remissão (perdão) dos nossos pecados!

Cl 1.15-19: “Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude”

Viver na prática o senhorio de Cristo, porque, de fato, Ele é o Senhor. Ele é o primeiro e o último! Para Deus Pai, Jesus está antes de todas as coisas, inclusive antes de nós! Tudo é por Ele e para Ele. Ele é a cabeça da igreja! Temos que deixar que Ele nos governe em tudo, que decida por nós, que tenha a prioridade na nossa vida e que ocupe o primeiro lugar em nosso coração (isto é lhe dar a primazia). Temos que aceitar que só nEle há plenitude, foram dele, tudo é incompleto.

Cl 1.20: “e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus.”

A paz e a reconciliação que recebemos da parte de Deus, só nos veio através do sangue de Cristo vertido na cruz (Rm 5.1,10)! Isto parece contraditório: paz e reconciliação por meio de derramamento de sangue, morte, cruz! Mas não é! Este é o caminho estreito, e Jesus nos diz: “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu voz fiz, façais vós também.” (Jo 13.15); “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me.” (Lc 9.23); “Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna.” (Jo 12.24,25). Só fazendo morrer nossa velha natureza é que nos vestimos da natureza de Deus (Ef 4.20-24). Sem a nossa morte, não haverá em nós, a vida de Cristo!

Cl 1.21-23: “E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé, alicerçados e firmes, não vos deixando afastar da esperança do evangelho que ouvistes e que foi pregado a toda criatura debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, me tornei ministro.”

As trevas nos fazem estranhos para Deus, e seus inimigos. Nossas obras não servem para Deus porque são, em essência, malignas. Tudo o que Jesus fez por nós só se torna eficaz nas nossas vidas se permanecemos na fé, em obediência a Ele!

Por último, é preciso salientar o evangelho do reino, que foi pregado por Jesus e os primeiros discípulos; do qual não devemos nos desviar.

Por Aguilar Lopes

Leia também:

O propósito de Deus e o discipulado à Jesus

Este é o primeiro artigo de uma série sobre discipulado. Usaremos este canal para dar dicas aos que se empenham em cumprir a ordem de Jesus: Ide e fazei discípulos (Mt 28:18-20). Nas próximas semanas, trataremos o tema sobre vários aspectos. As definições acerca do que é discipulado serão discutidas no próximo artigo. Mas, já adianto aqui que o termo se refere ao processo de ganhar pessoas para Cristo e cuidar delas até que estejam madura para que possam multiplicar discípulos. Mas, neste primeiro texto, o foco está no propósito do discipulado: Por que fazer discípulos? Para que discipular?

Não há como fazer discípulos para Jesus e para a glória de Deus Pai, sem ter em mente que Deus tem um maravilhoso, incrível e imutável propósito e podemos resumi-lo em uma frase:

Uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus, para a glória de Deus Pai e na dependência do Espírito Santo.

homens subindo montanha no por do sol

Paternidade de Deus

Deus criou a humanidade com um desejo pessoal; não somos apenas criaturas de suas mãos. Deus nos criou para sermos seus filhos. Todo o amor do Pai está expresso na criação da nossa espécie. Necessitamos ter revelação desse propósito, pois o discipulado não pode apontar para nós mesmos. O nosso trabalho tem que conectar as pessoas a Deus. Precisamos trabalhar para a eternidade!

O discipulado não pode competir com a paternidade de Deus. Nem Jesus, que é um com o Pai, permitiu que sua atuação aqui na Terra competisse com a pessoa do Pai.

Aquele que ensina a Palavra precisa viver conectado com o Pai. Trabalhemos para que os discípulos se sintam como filhos de Deus e descansem em sua amorosa paternidade. Cada discípulo precisa ter sua identidade de filho de Deus fortalecida, assegurada e confirmada.


Imagem e semelhança de Cristo

Jesus é a expressa imagem de Deus; seu caráter expressa os atributos do Pai. Nele habita, corporalmente, toda a plenitude do Senhor.

João 10:30

Eu e o Pai somos um.

João 12:44-45

E Jesus clamou, dizendo: Quem crê em mim crê, não em mim, mas naquele que me enviou. E quem me vê a mim vê aquele que me enviou.

Jesus revelou ao mundo o caráter de Deus manifestado em forma humana. Assim, para imitar a Deus, basta imitar a Jesus.

Efésios 5:1-2

Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave.


Jesus é o nosso único ponto de referência!

A santificação é o processo de transformação do nosso caráter até que sejamos moldados à imagem de Deus. Esse é um dos pontos centrais do propósito eterno. Assim deve ser o trabalho dos cooperadores: “apresentar todo homem perfeito em Cristo”.

Efésios 4:13

Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo, […]


Dependência do Espírito Santo

Jesus afirmou que gostaria de ter falado muitas coisas com os discípulos, mas eles não entenderiam até que o Espírito Santo se derramasse sobre eles.

Um discipulado sem o Espírito Santo é fracasso certo! Mesmo que o Espírito nos use no processo de transformação do outro, seja por conversas, argumentações ou até repreensões, temos que confiar nele e creditar a obra a Ele.


Multiplicação de discípulos


Um aspecto muito importante dentro do propósito eterno é a multiplicação numérica de discípulos, pois o Senhor quer muitos filhos. Estudaremos sobre evangelização e frutificação, entendendo que ganhar almas é fundamental para o cumprimento da vontade do Senhor.


Vida em família

A unidade da igreja tem grande relevância, pois o Senhor quer sua família unida. Jesus orou para que fôssemos um, assim como Ele e o Pai também são um, a fim de que o mundo creia. O Senhor expressou seu desejo de que fôssemos aperfeiçoados na unidade. A igreja não pode ser apenas um lugar de reuniões, mas um corpo vivo e ajustado no qual os diversos membros se relacionam em amor.

Trecho do 1 capítulo do livro Discipulado: Um guia prático.

Escrito por: Samuel Farias
Samuel é Pastor, Palestrante, Professor de biologia e desenvolve trabalho de suporte missionário na África e Haiti.

A humildade de Jesus (uma vida sem bens materiais)

Essa pregação é sobre a glória de Jesus sem precisar de bens materiais.

Nascimento de Jesus: Lc 2:7  “e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.”

Manjedoura = local onde se coloca alimento para animais.

Quando nosso filho vai nascer, procuramos um hospital, mas para Jesus, não havia lugar em uma hospedaria. Compramos um berço para nosso filho, mas Jesus foi colocado em uma manjedoura, que não era dele, era emprestada.

Sua assistência também foi emprestada: Lc 8:3 “e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistência com os seus bens.”

Durante o seu ministério, Jesus era sustentado, recebia assistência, não tinha sustento próprio.

Em Mt 8:20, um escriba disse que iria segui-lo em qualquer lugar. Escriba = mestre, escrivão da lei.

 “Mas Jesus lhe respondeu: As raposas têm seus covis, e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.”

Mc 11:2-3: “e disse-lhes: Ide à aldeia que aí está diante de vós e, logo ao entrar, achareis preso um jumentinho, o qual ainda ninguém montou; desprendei-o e trazei-o. Se alguém vos perguntar: Por que fazeis isso? Respondei: O Senhor precisa dele e logo o mandará de volta para aqui.”

Para entrar em Jerusalém Jesus usou um jumento emprestado também.

Mc 3:9 “Então, recomendou a seus discípulos que sempre lhe tivessem pronto um barquinho, por causa da multidão, a fim de não o comprimirem.”

Como Jesus curava muita gente, sempre havia uma multidão à sua volta, então pedia um barquinho, emprestado, para falar à multidão.

Mc 14:13-15 “Então, enviou dois dos seus discípulos, dizendo-lhes: Ide à cidade, e vos sairá ao encontro um homem trazendo um cântaro de água; segui-o e dizei ao dono da casa onde ele entrar que o Mestre pergunta: Onde é o meu aposento no qual hei de comer a Páscoa com os meus discípulos? E ele vos mostrará um espaçoso cenáculo mobiliado e pronto; ali fazei os preparativos.”

A última ceia foi em um cenáculo (salão) emprestado, Jesus não tinha casa.

Mc 15:25 “Era a hora terceira quando o crucificaram.”

Mc 15:46 “Este, baixando o corpo da cruz, envolveu-o em um lençol que comprara e o depositou em um túmulo que tinha sido aberto numa rocha; e rolou uma pedra para a entrada do túmulo.”

Foi sepultado em um túmulo emprestado por José de Arimatéia.

O nosso salvador tem grande valor, mas quando passou pela Terra não viveu como um rei milionário mostrando riqueza material. Teve uma vida humilde. E nós, quanto temos de um coração humilde como o de Jesus?

Por Mauro Fraga

Veja também:

Ordem de Jesus para nós

Em Mt 28:18-20 está escrito: “Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século”. Consumação = finalização.

Outro texto semelhante está em Mc 16:15-16: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado. Estes sinais hão de acompanhar aqueles que creem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados.”

Minha família faz parte do mundo? Então devo pregar para minha família, meus vizinhos, meus amigos, colegas, etc.? O que tenho feito?

Por que não devo colar nas provas? Porque o professor disse que não!

O que o professor é? Autoridade. O que a Bíblia diz sobre autoridade? Rm 13:1

Preciso conhecer a verdade para transmiti-la.

A verdade é Jo 14:6 “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.”

Devemos levar as pessoas até Jesus. Ele é o caminho. O caminho não é o culto, o pastor; o caminho é Jesus!

E as dificuldades? Jo 16:33 “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”

1 Jo 2:1 “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo

Se eu pecar peço perdão, e continuo a caminhada! Em nome de Jesus!

Mt 3:8 “Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento”.

Se não consigo, Tg 5:16 “Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo”.

Tudo isso é necessário para conseguirmos cumprir a essência da ordem de Jesus para nós. É uma ordem simples, mas com muitas implicações!

Por Mauro Fraga

Leia também:

Voltar para: estudos e pregações

Estudo sobre oração de Jesus

oração de JesusJesus ensinou muita coisa, inclusive ensinou os discípulos a orar. Ele disse, em Mateus 6:6 Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará..

Nesse estudo sobre oração, iremos analisar diversos pontos importantes. Na oração de Jesus registrada em João 17, é como se ele tivesse deixado uma frestinha da porta aberta para que pudéssemos ouvir sua oração: suas prioridades, seus desejos, sua vontade, são expostos ali. Esta oração revela o mais profundo, o mais íntimo de Jesus; por isso essa “fresta” só é aberta aos seus discípulos, aqueles que o conhecem na intimidade.

v.1-3: Tendo Jesus falado estas coisas, levantou os olhos ao céu e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que o Filho te glorifique a ti, assim como lhe conferiste autoridade sobre toda a carne, a fim de que ele conceda a vida eterna a todos os que lhe deste. E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.

    • Jesus começa dizendo “PAI”, e o repete mais cinco vezes; e acrescenta: “PAI SANTO” (v.11), “PAI JUSTO” (v.25).
    • Jesus nos revela o Pai! Ele quer compartilhar conosco esse relacionamento de Pai e Filho que está ao nosso alcance também.
    • “Pai santo” e “Pai justo” revelam a natureza de Deus, e o seu desejo de que sejamos santos e justos como Ele.
    • Só Jesus tem autoridade para conferir vida eterna, só ele tem o poder de tornar criaturas de Deus em filhos seus (Jo 1:12).
  • A vida eterna é conhecer a Deus e a Jesus Cristo! Conhecer aqui não é mero conhecimento intelectual, mesmo que aprofundado; mas, é o mesmo que “coabitar”, conhecer intimamente, ou na intimidade. Vida eterna só têm aqueles que estão EM Cristo, que são íntimos dEle, pois Ele é a vida eterna!

v.6:Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo.

  • Jesus manifestou e manifesta sempre o nome de Deus! O que temos manifestado aos homens? Que nomes temos pronunciado e anunciado: o nosso, o da nossa denominação, os de homens que apreciamos?

v.6: Eram teus, tu mos confiaste

  • Os discípulos são de Deus, são de Cristo e não nossos; são confiados a nós para que os sirvamos e os edifiquemos, mas serão sempre de Deus, nunca nossa propriedade! Muito cuidado nisso!

v.6: “… eles têm guardado a tua palavra.

  • Discípulos são aqueles que guardam (PRATICAM) a palavra de Deus; são aqueles que recebem a palavra, e não ficam se justificando, desviando-se dela (v.8). Somente os que recebem, guardam e praticam a Palavra de Deus é que conhecem verdadeiramente a Jesus. Estes estão em Cristo!

v.11: Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós.

    • Jesus ora para que vivamos em unidade, como a que existe na trindade; e ele o repete nos versos 20 a 23, acrescentando que a unidade pode e deve ser aperfeiçoada!
    • Jesus deixa bem claro como se dá o aperfeiçoamento da unidade: Ele em nós; nós nEle (v.23). Quanto mais comunhão nós temos com Deus, mais comunhão nós teremos com os irmãos; se não temos vontade ou necessidade de estarmos com os irmãos, pode ser um sintoma de que temos tido pouca ou nenhuma comunhão com Deus (1 Jo 1:7).
  • Essa oração de Jesus não se refere a uma unidade dos homens, que se tenta alcançar através de eventos evangélicos, reuniões, almoços, ou afinidades; mas a unidade como a de um corpo que se une e funciona sob o comando de uma só cabeça: JESUS! Se nós estamos sob o governo de Jesus, aí somos membros do seu corpo, ou como diz Paulo, “membros uns dos outros” (Rm 12:5). Isto sim é unidade!

v.14-19: Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou. Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade.

    • Em primeiro lugar, Jesus oferece a Palavra de Deus e nada mais. Não há distrações, não há maneiras de suavizar o evangelho do reino, não há entretenimentos: música, dança, teatro, jantares… Não há encontros para homens de negócio, para mulheres prendadas, para jovens, para universitários, para surfistas, etc.
    • Jesus não tem parte com o mundo, e os seus também não; e ele o diz duas vezes nesta oração! Será que a Igreja tem levado isso a sério? Não somos do mundo!
    • Todas essas coisas citadas acima não são pecado, mas não farão com que vejamos a Deus. Hebreus 12:14 nos diz que é a santificação que nos fará ver o Senhor! Por isso Jesus ora para que o Pai nos santifique, e não que nos entretenha, ou nos agrade.
  • A prática da verdade nos santifica, e a verdade é encontrada na Palavra e na vida e obra de Jesus (o verbo de Deus), e não nas opiniões de homens.

v.18: Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.

  • Nós fomos enviados ao mundo, assim como Jesus foi; portanto, acabaram-se as nossas férias:

Tendo Jesus convocado os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para efetuarem curas. Também os enviou a pregar o reino de Deus e a curar os enfermos. (Lc 9:1,2).

Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século. (Mt 28:19,20).

Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas. (Mt 10:16).

v.24-26:Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo. Pai justo, o mundo não te conheceu; eu, porém, te conheci, e também estes compreenderam que tu me enviaste. Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles esteja.

  • Jesus finaliza sua oração revelando a sua vontade: que nós estejamos sempre com Ele, onde Ele estiver! Algumas perguntas pertinentes:

Sabemos por onde Jesus tem estado?

Temos estado com Ele?

É Jesus que tem nos guiado ou nós é que temos tentado leva-lo por nossos caminhos, seguindo nossas inclinações carnais?

Qual vontade tem prevalecido, a dEle ou a nossa?

  • Jesus termina como começou: “Eu lhes fiz conhecer o teu nome” (v.26)! Qual o nome de Deus que nos foi revelado por Jesus? Deus já havia revelado muitos nomes seus através dos profetas do Antigo Testamento: “Poderoso”, “Criador”, “Justiça Nossa”, “Deus Proverá”, “Minha Bandeira”, “Pastor”, “O Eterno”, “Rei dos Exércitos”, “O Grande-EU-Sou”. Mas “Aba Pai”, foi Jesus que nos revelou!

O nome que revela todo o amor e o propósito eterno de Deus é “Pai”. Deus quer que conheçamos e usufruamos de sua paternidade e vivamos em família, para a Sua glória. Isto é a Igreja! Amém!

Por Aguilar Lopes

Ir para: Lista de Estudos da Bíblia

Leia também:

Voltar para: Pregação Cristã

Buscai as coisas do alto

buscai as coisas la do altoCl 3:1-4 diz: “Portanto, se fostes ressuscitados juntamente com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde  Cristo vive, assentado à direita de Deus. Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra; porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória.

Em Is 55:8-9, Deus fala sobre o pensamento Dele: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos.

Em Mt 6:9-10, Jesus nos ensina a orar: “…Pai nosso, que estás no céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu”. Este é o nosso modelo de oração, “faça-se a tua vontade aqui, como ela é feita no céu;” Que eu faça a tua vontade Senhor! Deseje a tua vontade Senhor! Que o teu reino esteja bem estabelecido em minha vida! Que tu estejas verdadeiramente governando minha vida em todos os aspectos! Que eu possa declarar como o salmista no Sl 139:23-24: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.”

Sabemos que o propósito de Deus é ter uma família de muitos filhos semelhantes a Jesus! O que eu sou neste propósito? Filho. Devo ser semelhante a quem? A Jesus.

Deus quer me fazer semelhante a Jesus , por isso, todas as coisas cooperam para o meu bem. Rm 8:28 diz “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” É ruim sofrer uma decepção, sofrer uma injustiça, mas isso vai cooperar para o meu bem. Pensar na palavra de Deus é pensar nas coisas lá do alto. As coisas lá do alto são as coisas de Deus !

Nossos pensamentos não são os pensamentos de Deus !

Há pais que querem que seus filhos sejam médicos, advogados, jogadores de futebol, etc; mas, mais importante do que isso é que o filho seja semelhante a Jesus! Esteja na escola tendo um comportamento de filho de Deus! E como se comporta um filho de Deus?

Cl 2:20-22 nos fala: “Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenanças: não manuseies isto, não proves aquilo, não toques aquiloutro, segundo os preceitos e doutrinas dos homens? Pois que todas estas coisas, com o uso, se destroem.”

O comportamento do filho de Deus não é baseado em um conjunto de regras a seguir, mas na certeza de ter morrido com Cristo e não viver mais segundo este mundo. Ex.: o mundo não perdoa quem ofende; eu perdoo, pois Cristo vive em mim.

Na palavra de Deus estão as coisas lá do alto! Não é complicado porque Deus nos traz revelação das suas verdades, mas precisamos buscar essas verdades, pensar nessas verdades!

Como vou ensinar isso a minha família ? Tg 1:5-6 “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida. Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando

Começa comigo! Começa com arrependimento!

Tg 4:8-10 “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre (fingidos, que enganam as duas partes), limpai o coração. Afligi-vos, lamentai e chorai. Converta-se o vosso riso em pranto, e a vossa alegria, em tristeza. Humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará.”

Provai que o SENHOR é bom!

Por Mauro Fraga

Voltar para: Pregações Cristãs

Esboço de pregação para casal

Você conhece um bom aplicativo cristão/gospel? Clique aqui para se surpreender.

pregação para casaisNessa pregação sobre casamento, iremos descobrir como ser semelhantes a Jesus dentro do casamento.

Qual o propósito de Deus? Sermos semelhantes a Jesus. Esse tem sido o propósito da sua vida? Ou tem sido fazer o seu cônjuge ser conforme a tua imagem?

Você está disposto a aceitar qualquer coisa da vontade de Deus para fazer você ser semelhante a Jesus? Temos que ter o mesmo objetivo que Deus tem. “Santificado seja o teu nome, venha teu reino e seja a feita a tua vontade assim na terra como no céu”. Nossa paixão na vida deve ser a glória de Deus. Se através da minha prosperidade econômica Deus me transformará à imagem de Jesus, serei próspero. Se através da minha pobreza serei transformado, então ficarei pobre.

Se uma doença me transforma à imagem de Jesus, então conviverei com essa doença. Se ficar curado me transforma e me faz glorificar a Deus, então serei curado. Daqui a cem anos essa dor não existirá, mas a imagem de Jesus em mim será eterna.

Se crês que Deus está te moldando conforme a imagem de Jesus, então tudo que acontece em tua vida está no plano dEle e pode ser recebido com ações de graças. Se isso ainda não é claro para mim e eu levanto e durmo dizendo: “Por que isso está acontecendo comigo? Por quê? O que é que eu fiz para merecer isso? Por que eu me casei? Meu marido é tão diferente de mim, não supre minhas necessidades e diz que eu não supro as necessidades dele. O que aconteceu?

A maioria das pessoas tem ideias erradas sobre o casamento. Essas ideias vem especialmente do cinema, da televisão e dos livros, não da Bíblia.

O que é o casamento? Não é um contrato, é uma aliança. Contratos duram até uma das partes deixar de cumprir o acordo e assim ele pode ser desfeito. Alianças duram até a morte, não importando se as partes não estão cumprindo seu acordo. E foi Deus quem fez o casamento ser uma aliança. Não é para ser desfeito nunca. “O que Deus uniu, não o separe o homem” (Marcos 10:8,9).

Deus pode levar você a um relacionamento que seja pouco compatível contigo. Almas gêmeas não vêm de Deus. Pelo contrário, o  cônjuge costuma ser fraco, muito fraco, exatamente nas áreas que tu gostarias que ele fosse forte. Por que Deus faz isso? É porque ele te odeia e quer te dar uma vida miserável? Não! Ele não te mostra como o outro é até já estarem casados. Aí tu dizes: o que é que eu fiz pra merecer isso? Antes de casar tu sonhas com um cara maravilhoso, gentil, amoroso, etc. Um cara perfeito. Se existisse esse cara perfeito, ele não casaria contigo, porque tu não és perfeita.

Depois de casar vemos que o outro não reúne todas as condições que esperamos que são importantes pra nós. Ele falha justamente nas mais importantes. Às vezes o marido limita a esposa em tudo, não a deixa estar com os irmãos, a oprime e para a esposa a solução parece ser o divórcio porque não ela aguenta mais. Todo esse sofrimento precisa ser canalizado em fazer você ser mais parecida com Jesus.

A coisa mais maravilhosa em Deus é que ele não dá o que merecemos. Merecemos a morte e o inferno por causa de nossos pecados, mas ele é misericordioso e nos perdoa. Para sermos como Ele, precisamos aprender a ser misericordiosas e não dar aos outros o que eles merecem. (Romanos 8:28,29)

Pensemos um pouco sobre Jesus, como ele é? Amoroso, gentil, cavalheiro, compreensivo, perdoador,  fiel, bondoso, sincero, manso, etc. Somos como ele? Como aprenderemos a ser como Jesus se casamos com alguém que faz tudo o que queremos e gostamos?

Como vamos aprender misericórdia, paciência, bondade, amor incondicional, compaixão, se casamos com alguém que nunca falha, que não exige nada, que sempre reconhece suas falhas? Como vamos aprender misericórdia com alguém que não merece, se casamos com alguém que merece nosso amor, que merece só coisas boas? O propósito principal do casamento é que nos tornemos parecidas com Jesus para a glória de Deus. O casamento é o maior instrumento de santificação que Deus criou. Ter marido e filhos que não são parecidos com Jesus nos força a aprender a ser. Sempre tentamos transformar nosso marido e os filhos à nossa imagem, por isso temos tantos problemas. Casamos com alguém que não atinge as condições que exigimos. Casamos com alguém que precisa de misericórdia, e então aprendemos a dá-la e nos tornamos parecidos com Jesus, e o cônjuge também é transformado!

Se adoramos a Deus por tudo que Ele é, mas não queremos ser iguais a ele, então nossa adoração é falsa. Adoramos a Deus por tudo que nos dá mas não queremos dar essas coisas aos outros. Incoerente, não? Adoramos a Deus por seu amor incondicional, mas tratamos mal o marido e os filhos, nossos pais e irmãos quando eles não cumprem as nossas condições. Adoramos a Deus por nos dar seu perdão e misericórdia mas não queremos dar perdão nem misericórdia ao marido, aos filhos, os pais e aos irmãos.

Graça é favor imerecido. Ele não merece mas eu dou e assim me torno parecido com Jesus. O casamento é nosso maior ministério! Deus é quem estabeleceu isso e nos chamou para esse ministério. Sou chamado para servir aquele que precisa de meu serviço, para amar o que não é digno de amor, para perdoar e tratar bem o que não merece. Como foi Deus quem chamou, não tenho desculpas para não fazer isso. É meu ministério. Se eu esperar ser amado conforme eu gostaria para fazer minha parte, jamais serei como Jesus.

Então casar é ruim? Obviamente que não, todos esses pontos que mostramos aqui não correspondem à plenitude do casamento, e sim  ao fundamento, ao início da construção. O princípio de tudo é um casal que se deixa tratar.

O ministério do casamento revela nosso coração pecaminoso e expõe tudo que precisamos mudar.

Chegar a um relacionamento harmonioso é uma das maiores bênçãos da face da Terra, pois representa Jesus e sua noiva, a igreja.

Por Mauro Fraga

Confira também:

Voltar para: esboços de pregações

Esboços de Pregações

Nesse site você irá encontrar diversos esboços de pregações. Muitos desses esboços são, na realidade, pregações prontas para serem ministradas na igreja, tendo sido elaborados por pastores que servem a Deus de todo o coração.

Lista de sermões:

Basta clicar no esboço ou estudo que você está procurando para sua pregação.

Estaremos atualizando essa lista com novos esboços, pregações prontas e estudos bíblicos com frequência.

Se você está procurando especificamente por estudos, confira nossa lista organizada de estudos bíblicos.

Confira também o artigo Como pregar a Palavra de Deus para aprender mais sobre ser um pregador.

Além de ajudar pastores a organizarem suas pregações, o site pregacaocrista.com tem como objetivo instruir pessoas que estão buscando por esclarecimento, fornecendo estudos direcionados.

esboco de pregacaoNão recomendamos que um esboço de pregação seja utilizado sem oração e direção de Deus. Todo e qualquer estudo, antes de ser ministrado em uma igreja, deve passar pela ação do Espírito Santo, pois o Senhor quer usar os pastores para pregar aquilo que está em Seu coração. Os esboços desse site servem como um guia ou auxílio, mas não tem o intuito de substituir a busca por Palavra, revelação e inspiração direta com Deus.

Apesar desse site ter como título “esboço de pregação”, a verdade é que a maioria dos textos aqui presentes são pregações completas, com conteúdo bem desenvolvido. Um esboço se caracteriza por ter tópicos e listas de versículos bíblicos relevantes ao tema. Nossos artigos se assemelham mais a estudos, pois não mostramos apenas uma lista de tópicos e versículos, procuramos discorrer sobre os temas, explicando o assunto para que o leitor consiga compreender bem o assunto. Obviamente, fica fácil elaborar um sermão ou uma pregação a partir desses textos.

É muito importante que os pastores e presbíteros em geral leiam a Bíblia em particular (fora dos momentos de preparação de pregação), com liberdade, sem estar com a obrigação de compartilhar uma Palavra. Muitos pastores só leem a Bíblia para preparar sermões, e isso é um erro (um estudo nos EUA revelou que mais de 50% dos pastores não tem uma prática de leitura individual, apenas leitura para preparação de pregações). A Bíblia é um alimento diário, não um livro para encontrarmos discursos. Quem não tiver intimidade com o criador do livro também não terá discernimento para ouvir a voz de Deus e a revelação sobre as Palavras que estão escritas.

A oração também é fundamental para desenvolver intimidade com Jesus. Todos precisamos conversar mais com Aquele que deu a vida por nós. A pessoa de Jesus é mais do que uma figura, é uma companhia. Deus enviou o Espírito de Seu Filho aos nossos corações (Gl 4:6). Prossigamos em conhecer!

Nesse site você também vai encontrar recomendações úteis para sua igreja, como a utilização de um aplicativo para celular que ajuda o pastor ao mesmo tempo em que estimula os membros a serem mais ativos e participantes na obra.

Confira também algumas histórias bíblicas:

Paternidade x Padrão

No dia em que Jesus se despiu, tomou a toalha e lavou os pés dos discípulos, Ele nos ensinou o que  realmente é discipulado (João 13:14,15). Tudo se trata de ensinar pelo exemplo. O que dizemos vai impactar  a vida do discípulo de algum modo, mas o que fazemos vai formar, vai incentivar.  

João 17:19 (NAA)  

E a favor deles eu me santifico, para que eles também sejam santificados na verdade.  

Jesus sabia que os discípulos só se santificariam por verem o próprio Senhor se santificando. Eles  viram Jesus sofrendo sem murmurar, sendo tentado sem pecar, sendo ultrajado sem revidar. Eles viram  Jesus orando, jejuando, ouvindo e agradando ao Pai.  

O padrão de Deus para um discípulo

1Coríntios 11:1  

Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo.  

O Senhor requer dos discípulos um padrão elevado de vida: que sejamos semelhantes a Jesus.  

1João 2:5-6  

Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus.  Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele  andou.  

O discipulado pode ser traduzido na seguinte expressão: Alguém imita a Cristo e torna-se modelo para  ser imitado. Portanto, o discipulado é um fluxo de vida que passa do Cabeça para os membros e destes  para os demais. Esse fluir de graça age mudando hábitos e moldando o caráter.  

Necessitamos viver esse padrão e ensiná-lo aos discípulos. Estes devem ter toda a clareza sobre como  viver para agradar a Deus. Precisamos, inclusive, corrigir os que se desviam do padrão de conduta que  convém aos santos.  

Efésios 5:1-2  

Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo nos amou e se  entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave.

Paternidade x padrão 

Estes dois aspectos devem se manter elevados: a paternidade e o padrão. Se o discipulador deixar  enfraquecer algum dos dois aspectos, não fará um bom trabalho. Se ele tiver o sentimento de paternidade  elevado e o padrão baixo, será “frouxo” e permissivo com o discípulo, não formando-o corretamente. Se  ele tiver padrão elevado e paternidade baixa, será rigoroso com o discípulo, tendendo a um  relacionamento de cobrança e não de socorro e ajuda amorosa. 

Permissividade e hipocrisia 

Existe uma possibilidade de que alcancemos um equilíbrio medíocre, no qual o padrão e a paternidade  são baixos. Essa relação é ineficiente para cooperar com o propósito de Deus. Nem há padrão para  qualificar o discípulo, nem paternidade para guardá-lo. É o discipulado da indiferença!  

O risco da permissividade se dá por alguns motivos. Um deles é a intimidação. Um discipulador, mesmo  sendo modelo, pode se sentir intimidado para confrontar o discípulo. A intimidação pode ser por excesso de  cautela, por medo de exagerar ou por traumas que geraram inseguranças. Estas dificuldades precisam ser  vencidas.  

Outro fator que gera permissividade é a falta de qualificação da vida daquele que ensina, pois ele não  vive o padrão de um discípulo e sua consciência não o permite cobrar aquilo que não pratica.  

O Senhor Jesus elogiou os irmãos de Tiatira por muitas de suas virtudes, mas os repreendeu pela  tolerância e permissividade. (Apocalipse 2:20)  

Outro problema é a hipocrisia, que ocorre quando o discipulador, mesmo sem ser exemplo, exige do  discípulo um padrão elevado. Esse fato traz um efeito devastador! Diante da hipocrisia, o discípulo pode  sentir-se injustiçado, desanimado e sair da igreja, ou pode aprender a falar uma coisa e fazer outra,  gerando uma cadeia de hipocrisia. Jesus nos alertou contra isso.  

Mateus 23:1-4  

Então, falou Jesus às multidões e aos seus discípulos: Na cadeira de Moisés, se assentaram os escribas e os  fariseus. Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque  dizem e não fazem. Atam fardos pesados [e difíceis de carregar] e os põem sobre os ombros dos homens;  entretanto, eles mesmos nem com o dedo querem movê-los.

Trecho do 6 capítulo do livro Discipulado: Um guia prático.

Escrito por: Samuel Farias
Samuel é Pastor, Palestrante, Professor de biologia e desenvolve trabalho de suporte missionário na África e Haiti.

O texto acima expressa a visão do autor sobre o assunto, não sendo necessariamente a visão do site.

Estudo Bíblico sobre Batalha Espiritual

Nesse estudo sobre batalha espiritual, iremos falar de alguns princípios:

1) Nossa luta não é contra a carne e sangue

Ef 6:12 “porque a nossa luta não é contra  o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.”

2) O inimigo de Deus é nosso inimigo

Gn 3:1 “Mas a serpente, mais sagaz que todos os animais selváticos que o SENHOR DEUS tinha feito, disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?” sagaz = astuto = enganador.

batalha espiritualO que alguém ganha enganando o outro? Isto é egoísmo, se preocupar com seus próprios interesses; minha luta não é contra minha esposa, contra meu marido, contra meu filho, contra meu pai, contra meu patrão; minha luta é espiritual, contra os dominadores deste mundo tenebroso! Forças espirituais do mal! Assim como a serpente foi usada pelo diabo, aquele que não tem revelação do amor de Deus também é. Deus criou o homem, criou a mulher, criou a serpente e a fez sagaz, enganadora. Eu te pergunto: tu nunca enganaste ninguém? Pois é, Deus também colocou astúcia em nós, portanto estamos sujeitos a influência do diabo, assim como a serpente; precisamos nos arrepender constantemente, pois é tão fácil nos acharmos melhores do que os outros! Mt 7:3 “Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu?” É fácil apontar, difícil é reconhecer o próprio pecado!

3) A luta é constante, não cessa, pois o inimigo anda a nossa volta

1ª Pe5:8 “Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” O que eu fiz para ser provado? Eu te pergunto: o que Adão e Eva fizeram para serem provados? Deus nos fez semelhantes a Ele, nos dá a oportunidade de escolher entre a vida e a morte; comer da árvore da vida é buscar a Deus. Comer da árvore do conhecimento do bem e do mal é a morte! Qual é a minha escolha? Quem está me ensinando a viver? De quem eu dependo? A quem eu busco quando estou desesperado? A quem eu busco quando estou com dúvida? O diabo estragou a primeira família, mas ele não fez isso sem o consentimento de Adão e Eva.

4) Somos guerreiros de Deus

1 Cr12:22 “Porque, naquele tempo, dia após dia, vinham a Davi para o ajudar, até que se fez um grande exército, como exército de Deus.” O exército de Deus não é um exército de um homem só! Davi tinha o coração em Deus e Deus, através da fé de Davi, do coração que Davi tinha em buscar ao SENHOR, formou um grande exército. Onde está o teu coração? Está em Deus ou está em outra pessoa? Consegues ver Deus, através da tua vida formando outros guerreiros?

5) Temos armas para a guerra

Ef 6:11;13-17 “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus

  • a) vestir a verdade como um cinturão (a palavra é minha cinta);
  • b) a justiça é meu colete (justiça de Deus, não o que eu acho que é justo);
  • c) o evangelho da paz é o meu calçado (Jesus é a resposta, Deus sabe o que é melhor pra nós);
  • d) a fé é meu escudo, minha proteção contra os ataques do inimigo;
  • e) a salvação é meu capacete, me arrependi de uma vida sem Deus, fui transformado em uma nova pessoa, nenhuma acusação pode penetrar em minha mente;
  • f) a Palavra de Deus é a minha arma; a espada é uma arma de ataque, com ela vou atacar o inimigo!

6) A vitória é certa

Dt 20:4 “pois o SENHOR, vosso Deus, é quem vai convosco a pelejar por vós contra os vossos inimigos, para vos salvar.

Dt 10:17 “Pois o SENHOR, vosso Deus, é o Deus dos deuses e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e temível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita suborno;”

Textos de Batalha Espiritual que devo memorizar!

1 Pe 5:8 ”Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar

Ef 6:13-17 “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.”

Rm 12:1-2 “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”

Fp 4:13 “tudo posso naquele que me fortalece.”

Mt 19:26 “Jesus, fitando neles o olhar, disse-lhes: Isto é impossível aos homens, mas para Deus tudo é possível.”

Jo 14:12-15 “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai. E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no filho. Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei. Se me amais, guardareis os meus mandamentos.”

Ef 6:12 “porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.

Sl 34:18 “Perto está o SENHOR dos que tem o coração quebrantado e salva os de espírito oprimido.”

Sl 27:14 “Espera pelo SENHOR, tem bom ânimo, e fortifique-se o teu coração; espera, pois, pelo SENHOR.”

Jo 16:33 “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”

Lc 10:19 “Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano.”

Mc 16:17 “Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome, expelirão demônios…

2 Co 10:5 “e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo

Tg 1:5 “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida.”

Por Mauro Fraga

O texto acima expressa a visão do autor sobre o assunto, não sendo necessariamente a visão do site.

Ir para: Lista de Estudos Bíblicos

Confira também:

Page 1 of 3

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

cursos bíblicos gratuitos